Dá ou não dá pra defender?

As pessoas são o que são. Eu sou o que sou dentro deste núcleo primordial e formador. O estilo da roupa, eu mudo. O jeito de contornar a linha d'água do olho também, mas o modo de existir no sentido mais íntimo da coisa, aquele lado de dentro tão dentro que os outros nem notam,... Continue lendo →

É Dia dos Pais Outra Vez

É seu este humor meio sarcástico, meio abobalhado que tenho, e também minha loucura por boa música. Como eu poderia amar Streets of Philadelphia e Bolero de Ravel? Como? Toda vez que penso criticamente é a sua voz ecoando: "Usa a cabeça que ela não foi feita só pra separar as orelhas!" E talvez cada... Continue lendo →

Nossos Atravessamentos Mais Preciosos

Eu não sabia. Não fazia a menor ideia de que aqui dentro se escondia tanta coisa perniciosa...   Quanta raiva sufocada dos tempos de criança em que eu não conseguia processar o mal que me faziam; quanto choro engolido só pra fingir que não estava doendo até que tudo ruiu, ou melhor, implodiu sem pudor... Continue lendo →

Tudo é Leitura

Tudo no mundo interno e externo precisa ser lido, processado e expresso.   Quem sou, o que sinto, quero e preciso; Quem são os outros, o que sentem, querem e precisam; Qual o meu lugar na família, na cidade, no trabalho e no mundo em que habito; Quais são os meus limites, recursos e contingências;... Continue lendo →

O dia em que o rio jorrar

Por milênios se ensinou:   Homens, as mulheres lhes pertencem!   É sua obrigação ampará-las, mas vocês também podem trancá-las, usá-las, domesticá-las, penetrá-las à força, despojá-las de toda autonomia e autoestima, impedi-las de conquistar o que quer que seja sem a sua supervisão e/ou consentimento.   Mulheres, se curvem!   Abaixem os olhos e a... Continue lendo →

Minhas Bodas de Lã com a Tradução Técnica

Em setembro agora eu completo 7 anos traduzindo invenções. Sete longos anos "lidando" com algumas das mentes mais brilhantes do mundo capazes de inventar e/ou aprimorar sistemas, aparelhos, software. Enfim, tecnologia de ponta que reconfigura a maneira como você e eu vivemos, comemos, somos operados, nos locomovemos. Tenho preferência pelos textos da área médica que... Continue lendo →

Uma Tarde de Abril

Enche o peito e se desmonta no banco do canto com o rosto prensado no vidro. Nos outros com seus momentos, ela nem repara. Para pensar no que foi bom, apenas o chiar do ar se esgueirando pelo lado de dentro da pele, querendo sobrar bem no centro do corpo. A cena passada a limpo... Continue lendo →

Blues and Beats

Você bem que podia ainda estar vivo pra eu te saudar pessoalmente e ouvir esses solos espichados de quem tem manha, de quem sabe o que faz, oh se sabe! Eu te dançaria até encharcar a roupa e ver o suor escorrendo espinha abaixo com uma bebida qualquer na mão só pra molhar a garganta.... Continue lendo →

Sabe-se lá no fundo

Da porta pra dentro, o que me engrandece é esta subjetividade bem construída e amparada no que me parece genuíno. Saber-me indivíduo solto e às vezes descontinuado da cultura, com vontades e demandas próprias antes de seguir a manada porque o mundo e as ideias dos outros nem sempre coincidem ou favorecem meu rumo. Ah,... Continue lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑