Meu Rei, Meu Espelho

Nome original: Mon Roi

País: França

Ano: 2015

Atores principais: Vincent Cassel e Emmanuelle Bercot

O filme francês “Meu Rei” (Mon Roi) estrelado por Vincent Cassel e Emmanuelle Bercot (melhor atriz em Cannes) brinca com um dos clichês mais batidos de todos os tempos: o amor conturbado entre uma “mocinha” insegura e um “badboy” sedutor. Alguma semelhança com 50 Tons de Cinza? Felizmente, nem tanto.

A história pode ser lida em duas dimensões diferentes. No modo café-com- leite, onde Tony “cai nas garras” de Giorgio que a envolve em um jogo de submissão psicológica mesclada com bajulações. Uma interpretação perfeita para quem acredita que, dentro de um relacionamento, a mulher é uma donzela indefesa, portanto, isenta da responsabilidade pelos rumos que o envolvimento tomar.

Ou no modo “cheguei à vida adulta e tenho vergonha na cara” que funciona bem melhor para os mais realistas e inconformados com a banalidade que o termo “vítima” ganhou. Olhando desse ângulo, o filme ganha profundidade ao revelar os paradoxos das relações humanas, nas quais razão e emoção se contrapõem o tempo todo, nos arrastando para lados opostos e dificultando o discernimento sobre aquilo que queremos com mais firmeza. Viver intensamente uma atração fatal ou salvar minha sanidade? Esse é um dos dilemas de Tony, que está longe de ser uma pobre coitada e já explico o porquê.

Uma advogada bem-sucedida, amparada por familiares e amigos, é vítima ou coautora de um relacionamento abusivo? Eu aposto na segunda opção por dois motivos básicos: primeiro, ela detém recursos financeiros, intelectuais e de gênero (nascida e criada na França e não no Oriente Médio) suficientes para entender quando está sendo desrespeitada; segundo, ela tem liberdade para terminar tudo a hora que quiser sem que isso lhe custe mais do que uma bela fossa que arranha nossa dignidade por certo tempo, mas que não nos mata.

Por mais que o nosso dicionário seja muito inclusivo ao definir o significado de “vítima”, eu sou bem reducionista nesse sentido, preferindo considerar como tal apenas pessoas de fato privadas da liberdade de escolha ou sujeitas a opções que lhes custariam tão caro do ponto de vista social e/ou psicológico que fica difícil encará-las como um caminho viável, e obviamente, aquelas que são vulneráveis por definição (crianças, idosos, doentes, civis em zona de guerra, vítimas de estupro, de violência física, etc.).

Já uma “Tony” me parece mais vítima de si mesma e, portanto, precisa é de um espelho e não de um lenço. Isso porque ela tem claramente uma tendência a consentir os abusos de seus parceiros (o filme deixa claro que ela é a típica “dedo pobre”), provando que só lei não basta. Também é preciso consciência e colaboração por parte das mulheres para não facilitar a vida dos abusadores. A lei trata do leite derramado, a educação de homens e mulheres dispensa o seu uso.

Não se iluda. Em linhas gerais, toda vez que você se considera uma vítima do mundo, está dando um tiro no próprio pé, sabotando o seu poder de ação e perdendo uma grande oportunidade de refletir sobre si mesmo e tudo que lhe cerca.
Um dos grandes ritos de passagem da infância/puberdade para a vida adulta é justamente a consciência de que tudo é regido por uma lei de causa e efeito e que nós temos participação nisso. Ou seja, a sua vida é, em grande medida, aquilo que você fez dela e não um fenômeno sobrenatural orquestrado por extraterrestres. Dói né? Pois é… Isso explica porque tantas pessoas preferem o discurso de vítima.

Em muitos casos, ser vítima significa “estou livre da responsabilidade quando algo der errado”. O problema desse pensamento, além de criar uma cambada de mimados viciadinhos em chororô, é que ele gera humanos eternamente presos na adolescência, uma espécie de Caverna do Dragão onde voltar para casa equivale retomar o processo de maturação iniciado com o parto.

Voltando ao filme, o que distingue mulheres de meninas não é a vida em si, mas a postura tomada perante ela. Tony é quase tão desequilibrada, insegura e agressiva quanto Giorgio. A maior diferença entre eles é o temperamento, ela é mais reprimida e ele, mais expansivo.

Não se iluda parte II, nós só atraímos para as nossas vidas quem nos serve de espelho, os outros até se aproximam, mas não fazem morada porque não há correspondência para sustentar uma relação duradoura.

Sim, uma mulher madura e bem resolvida poderia se encantar por Georgio (Vincent Cassel não é lá um bonitão, mas tem seu charme), e num caso mais extremo de carência, até se apaixonar por ele, mas ela certamente racharia a conta do problema. E se a decisão fosse “sim, eu vou viver essa história custe o que custar”, ela diria algo do tipo:

– Gente, eu sei que ele não presta, mas eu também não sou lá flor que se cheire. Então, estamos quites.

Nos tempos de hoje, excluindo os países em que liberdade individual é mera utopia romântica, podemos dar o rumo que quisermos para as nossas vidas, e seja lá qual for o itinerário escolhido, que tenhamos sempre a decência de bancá-lo sem mimimi e encenações.

Música tema:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s