Adubo

A vida é sempre fome

de

feitos

e

afetos.

E o que se faz,

pretexto

pro oco

que

jorra.

Fôssemos assim tão cheios,

e firmes

e os mesmos,

o querer não fincaria

rente,

soberbo

na

alma.

Mas todos somos rios órfãos

que passam

e

transpassam

sem nunca retornar

ao leito,

ao

ventre

primeiro.

Sem nunca retornar

ao tempo

que

arrasta

e

passa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s