Dá ou não dá pra defender?

As pessoas são o que são. Eu sou o que sou dentro deste núcleo primordial e formador.

O estilo da roupa, eu mudo. O jeito de contornar a linha d’água do olho também, mas o modo de existir no sentido mais íntimo da coisa, aquele lado de dentro tão dentro que os outros nem notam, me é eterno ou pelo menos tão firmemente entranhado que só sairia de mim levando consigo pele e sangue juntos;

Não quero dizer que não mudo. Mudo sim e muito. Desde o dia da gravidez consumada até agora quase tudo se transformou veementemente, mas é um mudar previsto e coerente com algo anterior à própria mudança. É o mudar do meu código genético específico somado à rua onde cresci, ao colégio onde estudei e a todas as brigas, paixonites, crises, rupturas, encontros, desencontros, joelhos ralados, dores de barriga, menstruação, peitinhos crescendo e um tantão a mais, tão amplo e abarrotado que a memória até emperra.

E com eles (todo o restante da humanidade) acho que acontece o mesmo só que diferente rsrsrs. São da mesma espécie que eu, não são? Às vezes, tenho lá minhas dúvidas dado os absurdos biográficos e ideológicos que nos confrontam, mas partirei do princípio um tanto conciliador de que somos parentes, todos, absolutamente todos (inclusive a galera do Estado Islâmico, os violadores de criancinhas, estupradores, assassinos e amantes de sertanejo).

Todos parentes? Inclusive os piores, os menos ajustados a um código virtuoso de preservação da dignidade grupal? Sim. Todos e isso é no mínimo estarrecedor, o que me leva a concluir que não somos muito de confiança. Um bicho a se temer as paixões e os ódios inatos porque sabe matar com uma eficiência cirúrgica.

Ah como a gente odeia, ama, odeia de novo e ama mais um pouco!

Como a gente tem foco para erguer monumentos e também reduzir ao pó o  que outro coleguinha produziu motivado por essas mesmas pulsões.

Somos ridículos, eu sei. Não dá pra defender a nós mesmos assim com muita força, mas se somos o que somos e alguns de nós conseguem trilhar um caminho mais luminoso que os demais, então que o restante se inspire, se agarre de unhas cravadas a esse parentesco mais arrumadinho, tipo Jesus Cristo, Buda, Mahatma Gandhi, ou aquela senhora simpática que costura roupinhas para crianças carentes, o pai que suporta um trabalho de merda para que seus filhos prosperem mais do que ele, a mãe que dá a vida todo santo dia (e não apenas no momento do parto) pra que sua cria floresça levando adiante esse despropósito de mistério e caos que é a raça humana.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

tudodewagnerblog.wordpress.com/

Quem diria que viver ia dar nisso?

Ultrapassando Fronteiras

Experiências no exterior e viagens

Blog da Guaíra

Conteúdos atuais, relevantes e confiáveis, sobre o mercado imobiliário.

feito nuvem

livros, séries, cafés, gordices, viagens e outras coisas bonitas da vida.

AgênciaUVA

Redação Experimental de Jornalismo da Universidade Veiga de Almeida

Descolar Comigo 🌍

viagens e aventuras

Itanamara

Não importa quem é você ou de onde você vem. A capacidade de vencer começa sempre com você.

1 viagem, 2 visões

Registrando o lado maravilhoso - e eventualmente o pavoroso - de cada viagem.

%d blogueiros gostam disto: