5 Contadoras de Histórias – Mulheres na Direção

Eu sei que ninguém cabe nos rótulos “homem”, “mulher”, “sexo masculino”, “sexo feminino” (nem em nenhuma de todas as denominações de gênero que existem). E que no fim, o que há são bilhões de presenças humanas que ultrapassam sem pudores esses papéis e personagens que encenamos até morrer, mas é impossível não ver a diferença do jeito feminino de olhar e contar uma história.

Parece que nós mulheres tendemos a focar mais nos detalhes do lado de dentro – emoções, dinâmicas relacionais, dilemas éticos, crises existenciais. Enfim, no que envolve as coisas da alma e os aspectos mais vulneráveis e multifacetados que possuímos.

Já os homens, na minha opinião, gostam mais de narrar a partir de um lugar emocionalmente distanciado, com um tom mais aventureiro, focado em fatos e não em sentimentos.

Os dois estilos se complementam e quando aparecem juntos num filme, livro ou qualquer tipo de narrativa, dão muito mais conta da realidade como um todo, deixando uma sensação de integridade e verossimilhança que faz qualquer bicho sapiens se ver retratado.

Todos os filmes da lista que fiz foram dirigidos por mulheres:

 

May el-Toukhy (dinamerquesa-egípcia)

Laís Bodanzky (brasileira)

Rohena Gera (indiana)

Julia Rezende (brasileira)

Nadine Labaki (libanesa)

 

Vale muito a pena assisti-los. E quem tiver sugestões para me dar de histórias interessantes (dirigidas por homens ou mulheres, tanto faz), deixe nos comentários. Eu sou alucinada em filmes e vou ficar feliz da vida! 😉 😉

Beijão!

Rainha de Copas

Como Nossos Pais

A Costureira de Sonhos

Ponte Aérea

Cafarnaum

13 comentários sobre “5 Contadoras de Histórias – Mulheres na Direção

      1. Eu tô aqui já buscando já! Meu momento é de interesse pelas produções das mulheres… buscar obras de mulheres por todo lado, na literatura, nas artes em geral… e o cinema dirigido por mulheres é algo fundamental de conhecer. Tô esgotando os filmes da Sofia Coppola também, é uma boa! Cê curte?

        Curtir

    1. Sim. E o que mais me fascinou no filme foi ver os aspectos sombrios do desejo tão bem retratados. A vontade do homem de dormir com todas elas, o ciúme e a competição entre elas para ver quem iria conquistá-lo, o despeito da mulher mais velha por ter sido trocada pelas mais jovens, o encantamento maior dele justo pela mulher mais dócil e fácil de impressionar, a vingança da mulher mais velha ao amputar a perna dele (não ficou explícito, mas acho que ela fez de propósito mesmo). Enfim, o filme todo é muito interessante.

      Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s