O que se passa? E quando passa?

Esta pandemia tem sido tantas coisas tão distintas para cada pessoa.

Mas ao mesmo tempo, tão coerente com a realidade que já existia antes dela….

E eu imagino que:

Os que tinham mais recursos, afetos, amparos, dinheiro guardado, plano de saúde em dia, com quem deixar as crianças, pra quem ligar no sufoco, com quem dormir agarradinho, continuam tendo.

Os que eram mais vulneráveis, solitários ou descompensados de corpo e juízo também continuam “firmes” no seu fiapo de vida desmoronada sem muito com o que fazer um escudo de aconchego e direção.

E os “meio lá e meio cá”, talvez a grandíssima maioria de nós, também seguem nessa estrada sinuosa de quem “tem e não tem” o essencial, de quem “conta e não conta” com uma proteção consistente para seus pavores, dores e fúrias, de quem “sabe e não sabe” como lidar, elaborar e situar os acontecimentos dos últimos meses que, de uma hora para a outra, varreram da Terra toda a nossa ilusão de controle, segurança e senso de continuidade.

Parece que não há mais garantias nem sobre o rumo do mundo, nem se amanhã vamos dar conta de nós no mais simples do cotidiano, no mais óbvio do fluir. Como se a vida que “inventamos” (empregos, governos, acordos, vínculos, prazeres, negócios…) tivesse adquirido as incertezas de nuvens

vaporosas

passageiras

diluídas na imensidão de um céu

que talvez exista para nos lembrar

que

TUDO PASSA

TUDO PASSA!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s