Temos Smart Phones, Mas e o Tato?

"As pessoas não se olham mais no metrô, nas ruas." Ouvi essa frase de uma senhora uns meses atrás e na época achei meio exagero. Que tonta, eu!! Ela estava coberta de razão. O pessoal parece um zumbi hipnotizado pelo efeito smart phone, com a cara enterrada na tela como se o barato da vida... Continue lendo →

Pra que servem os homens?

Para preencher carnalidades pulsantes e pouco refutáveis; violar nossas fachadas de santas imaculadas; sucumbir à tentação convincente de tetas coxas quadris vagina e lábios pintados?   Ou para serem filhos amansados no quentinho de um amor naturalmente zeloso e vigilante?   São eles pais, tecedores de abrigos físicos e simbólicos contra os medos que sentimos... Continue lendo →

Fêmeas, Mulheres e Moldes

No último dia deste mês faço 3.0 com comemorações bem menos faraônicas do que eu imaginava para a ocasião. Sim, é uma virada de página importante,  ritual de passagem e tal, mas num plano alargado, não passa de um dentre milhares de simbolismos que criamos para decorar (ou complicar) a vida.   Que haja o... Continue lendo →

Com a casa nas costas

Já me corroeu perceber que em parte alguma há um lar derradeiro; aquele que me conteria com autoridade e esperança na infinitude.   Mas será que minhas noções de pertencimento podem ser assim tão convictas? Se eu arranhar o topo dos afetos físicos e sutis que sinto a ponto de expô-los e revirá-los, o que... Continue lendo →

Que cabelo é esse?!

"Agora prepare-se para as hostilidades, menina" Foi o que eu disse à mim mesma depois de tosar a juba meio crespa, meio alisada. Até entrar em transição, eu nunca tinha parado para analisar essa peculiaridade da cultura brasileira: O cabelo que cresce cacheado ou crespo na cabeça de uma enorme parcela das brasileiras é adestrado... Continue lendo →

E o livro sai quando?

Escrever em si é simples, principalmente, para quem faz disso um hábito há pelo menos duas décadas. Mas pelo que escrever? Que rumo e gosto dar às sucessivas correntes que me cortam? E que propósito agregar a essa vocação? Aliás, vale a pena ter uma finalidade clara e prática para minhas subjetividades? Ou seria melhor... Continue lendo →

E se tudo der errado?

Os desejos mais entranhados acalentam e desesperam porque são ninho e nudez. Se vivemos apenas sua forma encenada, que reside nos sonhos a olhos despertos, mas que em nada modifica o transcorrer da vida, eles simplesmente amornam a frieza dos dias banais multiplicados em lotes na rua, na cama e no trato com os outros;... Continue lendo →

Blog no WordPress.com.

Acima ↑