A Detenta, o Ditador e a Liberdade

Na tela do metrô a bizarrice de um cientista chinês que se casou com a robô que ele mesmo projetou. À minha direita uma moça abana a cabeça incrédula. Nos olhamos e rimos em seguida.

Conversa banal até que ela revela, toda orgulhosa, que aquele era o seu primeiro dia de liberdade após 5 anos na prisão.

Eu: O que você aprontou, hein menina? (Risos)

Ela: Tráfico. Peguei 9 anos, tô no semiaberto. (Aponta para a tornozeleira eletrônica). Deixei meus meninos pequenos. O menor tinha acabado de começar a falar.

Eu: Mas agora aprendeu, né? Não vai mais fazer isso…

Ela: De jeito nenhum. Aquilo lá não é vida, moça. É muito ruim perder a liberdade.

Descemos juntas na mesma estação. Ela, bem falante e animada. Eu, caladinha, só ouvindo, absorvendo aquele tipo de experiência tão drasticamente distinta da minha realidade. E antes que cada uma seguisse seu caminho, lembrei de dizê-la:

Muito boa sorte e parabéns!

Trocamos sorrisos e um adeus.

O encontro mudou o meu dia. De repente, toda a relevância do que eu tinha pra fazer se esvaiu. Saí da estação remoendo:

“cinco anos presa” “cinco anos sem pôr o pé na rua” “cinco anos de privações de toda a ordem”

CINCO ANOS

Eu morreria!

Livro “A vida privada de Stálin”, uma biografia bem crítica e ousada sobre um dos piores ditadores da História.

AVidaPrivadaDeStalin

Peguei-o na prateleira de uma livraria por acaso. Minutos depois já havia lido 60 páginas.  As obscuridades humanas me atraem num nível pouco moderado.

Infância pobre, pai alcoólatra e violento. Mãe repressora. Inteligência acima da média, colégio interno, amor pelos livros, obsessão por conhecimento, adoração por Lenin, fome de grandiosidade, idealismo totalitário, devoção sobrenatural à causa para “libertar o povo do czarismo”, crueldade sem limites.

Na juventude, muitas prisões, exílios, fugas e privações. A pior delas durou uns 3 anos no meio da Sibéria, de lá não deu pra fugir.

Combateu o czarismo. Anos mais tarde, bem munido de poder e retórica, assumiu o lugar daquilo que arriscou a vida para combater, fez-se czar, sobrepôs-se a tudo e a todos.

Stálin chegou aonde queria, fundiu seu nome à história da Rússia e do mundo. Mas não sem um custo proporcionalmente desmedido.

Morreu só e vítima do esquema de conspiração, violência e indignidades que ele próprio arquitetou durante anos no poder.

Morreu escravo de si e da causa, sem liberdade e totalmente impermeável à vida comum.

Nenhum inimigo externo é mais vil que as nossas próprias fomes.

Nenhuma ação do meio é mais nefasta que o sim dado por cada um de nós para tudo aquilo que destrói a liberdade humana.

Morremos como vivemos

Colhemos o que plantamos

A tragédia é nunca saber o peso de nossas escolhas até que elas se materializem.

Confira outras resenhas aqui

Continuar lendo

Melancolia – Aprendendo a se Gerir

Quem em sã consciência é alegre e otimista o tempo todo?

A vida é tão sinuosa, tão cheia de ganhos e perdas que o jeito mais razoável de vivê-la me parece algo assim bem corpo a corpo, lidando com as contingências de cada momento e tendo, sempre que possível, a saúde global como referência primeira.

Choro, riso, paixões, fúrias, lutos, amores, desafetos…

Aprender a lidar com os efeitos de cada estado de espírito, ponderando sobre suas causas e impactos práticos no cotidiano é uma incumbência existencial de primeiríssima grandeza; o único passaporte para a maturidade com status autêntico e sustentável.

Num mundo ideal, receberíamos como pais criaturas experimentadas nessa arte de se gerir e melhorar, mas neste aqui a realidade é catastrófica. A maioria dos adultos gera outras vidas no mais completo breu sobre suas próprias deficiências psicológicas e afetivas; ainda são cheios de traumas, ressentimentos, repressões e ideais totalmente defasados. Ainda vivem sob o estigma de vítimas do mundo.

A dica de hoje é um Café Filosófico com a psicóloga Julieta Jerusalinsky, especializada na área infantil.

O foco do debate é a melancolia nas crianças e suas causas mais frequentes, mas é perfeitamente possível se fazer um paralelo com a realidade dos adultos. Até porque, de certo modo, nunca crescemos de todo, sempre guardamos reminiscências das impressões e convicções assimiladas nos primeiros anos de vida; operamos segundo uma infinidade de crenças e preconceitos formulados numa época anterior à formação de um discernimento mais sofisticado. Daí a importância de análises (em consultório ou por conta própria) permanentes dos nossos filtros e valores.

A palestra é longa, mas a voz e o vocabulário da Julieta são tão agradáveis que o tempo voa.

Espero que gostem! Beijos! 😉

A Garota Desconhecida

Cada um se cura como pode…

O peso da consciência exigindo justiça, as dores do passado modelando o presente.

Uma médica inconformada com a morte de uma jovem desconhecida que, em certa medida teve sua contribuição; um estagiário fazendo da medicina o antídoto para seus traumas de infância.

O filme não é nenhuma proeza de atuação, fotografia ou roteiro, mas a história prende. O jeito seco, típico do cinema francês, é sentido do início ao fim, inclusive nos momentos de mais emoção.

Eu gosto disso. Acho as presepadas cênicas, muito frequentes na dramaturgia latina, um excesso difícil de engolir. E já notei que todos os atores que mais admiro são sintéticos, sóbrios, porém, muito incisivos em sua atuação.

Como disse a diva, Clarice Lispector, “que ninguém se engane, só se consegue a simplicidade através de muito trabalho”. Anthony Hopkins e Fernanda Montenegro que o digam.

Voltando à trama, o que mais me intrigou foi a overdose de realismo mostrado em todas as cenas. Saí do cinema cheia de questões:

Como uma simples atitude pode contribuir para uma tragédia…

Não muito raramente, nosso instinto de autopreservação se choca com o senso de justiça. Quem nunca se atormentou entre salvar sua pele e fazer a coisa certa?

E por que fazemos o que fazemos? Somos de fato generosos ou praticamos o bem para nós mesmos através dos outros?

Perguntas, muitas perguntas…

Filmes como este são um ótimo corta-santidade justamente por trazer à tona o humano que nós somos – confuso, vacilante, contraditório – e não aquele que gostaríamos de ser. E pensar nisso me fez lembrar de um documentário, postado aqui, no qual uma das participantes deu uma das declarações mais sinceras e humildes que já ouvi.

Ela, judia salva ainda criança por um soldado alemão, disse algo mais ou menos assim:

“Ele arriscou sua vida, a única que tinha, para salvar a minha. Eu não sei se faria o mesmo no lugar dele. Gostaria de dizer que sim, mas não posso.”

Acho que só uma pessoa muito desavisada de si mesma confia na eficácia absoluta de suas virtudes, todas as outras se vigiam e torcem para que a imprevisibilidade de suas escolhas e os reveses da vida não as arrastem para um lamaçal de dor, remorso e degradação moral.

Continuar lendo

Que Tal Pagar Para Morrer?

A dica de hoje é bem incomum – o filme francês La Vanité.

Um senhor com câncer em estágio avançado e sem nenhum laço afetivo que o conforte, resolve contratar uma clínica especializada em eutanásia assistida.

Quando o momento do desapego chega, uma série de confusões e surpresas tornam o procedimento de poucos minutos em uma odisseia que dura a noite toda.

Divertido, inusitado e dramático, o filme me prendeu do início ao fim.

Uma das coisas que mais me fascinam na ficção é a possibilidade de “viver” histórias que em nada se assemelham à minha, e as confusões entre David Miller (o candidato a morto), Esperanza (a funcionária da clínica) e Constantin (um garoto de programa que vira testemunha do ato) atendem muito bem a essa expectativa.

E a pergunta que não pode faltar:

Você teria coragem de pagar para morrer?

Continuar lendo

Dicas de Leitura Prática -As Cem Melhores Crônicas Brasileiras

Se você não tem o hábito da leitura e quer ter ou se o seu tempo para ler é escasso, uma boa dica é investir em compilações de contos e crônicas, pois elas são bem mais práticas que um romance.

Você pode ler um conto ou crônica por dia, o que significa em média 2 ou 3 páginas apenas, e levar o tempo que quiser para concluir o livro sem viver a ansiedade pelo fim.

Outra vantagem das coletâneas é a diversidade de referências, já que você entra em contato com autores de quem nunca ouviu falar e pode consultar a obra deles posteriormente.

Eu, por exemplo, nunca tinha lido Rachel de Queiroz e depois da crônica “Talvez O Último Desejo“, que me emocionou profundamente, eu resolvi incluir a escritora na minha lista de leituras futuras.

Também decidi dar mais atenção para outro escritor importantíssimo para a crônica brasileira, que é o João do Rio. Eu já tinha lido um conto dele “O Bebê de Tarlatana” (ótimo por sinal), mas simplesmente esqueci de me aprofundar.

Como se não bastasse tudo isso, neste livro ainda contamos com uma variedade de assuntos para ninguém botar defeito. Você terá 100 histórias com as quais se envolver. Cem!!!Dá para se entediar? Claro que não, né?

Agora, vamos às considerações mais específicas sobre o livro.

Li em voz alta a grande maioria dos textos para “sentir” a melodia de cada um deles, tudo entre gargalhadas, reflexões, garganta engasgada e, em alguns casos, até lágrimas.

Para mim, o melhor do livro encontra-se até a década de 70. Depois desse período, os textos bem escritos e com casos interessantes foram ficando cada vez mais rarefeitos. De qualquer forma, eu amei a leitura e ganhei novos nomes para a minha investida como cronista.

Maiores Vantagens do Livro

  • Riqueza de estilos, temáticas e estética – Ter num único livro nomes como Machado de Assis, Graciliano Ramos, Carlos Drummond de Andrade e Clarice Lispector, te dá uma visão panorâmica sobre como cada um desses gigantes estruturava a sua escrita. Com isso você acaba desenvolvendo um olhar mais sutil para as diferenças entre o trabalho dos autores, bem como dos temas que eles costumam abordar.
  • Informações extras – A cada passagem de época, há uma pequena descrição sobre o que estava acontecendo com a crônica e o Brasil naquele período. Mais uma vez ganhamos amplitude.
  • Referências bem catalogadas – Nas últimas páginas você pode consultar os autores de duas maneiras: pelo índice de autores (para quem quer saber em quais páginas encontrar o texto de cada um deles) e pela bibliografia (para quem quer rastrear o original onde cada crônica foi publicada).

Minhas Prediletas

De 1850 a 1920

  1. Modern Girls – João do Rio p. 29
  2. O Livreiro Garnier – Machado de Assis p. 41
  3. Um Mendigo Original – João do Rio p. 44
  4. As Cartomantes – Olavo Bilac p. 53
  5. O Dia de Um Homem em 1920 – João do Rio p. 57
  6. Genialidade Brasileira – Alcantra Machado p. 72
  7. Talvez O Último Desejo – Rachel de Queiroz p. 74
  8. Um Milagre – Graciliano Ramos p. 74

Década de 50

  1. Café com Leite – Antônio Maria p. 96
  2. Batizado na Penha – Vinicius de Moraes p. 97
  3. A Moça e a Varanda – Sérgio Porto p. 99
  4. Páginas das Páginas – Marques Rebelo p. 101
  5. Garbo: novidades – Carlos Drummond de Andrade p.115
  6. Complexo de Vira-latas- Nelson Rodrigues p. 118
  7. O Inferninho e o Gervásio – Stanislaw Ponte Preta p. 126
  8. Os Amantes – Rubem Braga p. 129
  9. A Bolsa e a Vida – Carlos Drummond de Andrade p. 137

Década de 60

  1. Conversa de Pai e Filha – Antônio Maria p. 155
  2. Gente – Elsie Lessa  p. 157
  3. Coisas Abomináveis – Paulo Mendes Campos p. 162
  4. Notas de Um Ignorante – Millôr Fernandes p.170
  5. A Última Crônica – Fernando Sabino p. 188

Década de 70

  1. Londres, Novembro de 1972 – Campos de Carvalho p. 193
  2. Herói Morto. Nós – Lourenço Diaféria p.195
  3. Um Lugar Ao Sol – Chico Buarque p. 201
  4. Os Abridores de Bar – João Carlos Oliveira p.213
  5. Morreu O Valete de Copos – João Antônio p. 220
  6. Medo da Eternidade – Clarice Lispector p.223
  7. Ser Gagá – Millôr Fernandes p. 225

Década de 80

  1. Ed Mort e O Anjo Barroco – Luis Fernando Veríssimo p. 233
  2. Zero Grau de Libra – Caio Fernando de Abreu p.255

Década de 90

  1. Sobre o Amor – Ferreira Gullar p.279
  2. Minhas Bunda – Mario Prata p.287

Anos 2000

  1. A Mulher de -Marcelo Rubens Paiva p.319
  2. Meu avô foi um belo retrato do malandro carioca – Arnaldo Jabor p. 331

Dica Final

Antes de começar a ler o livro, escolha uma forma fácil e eficiente para marcar as páginas que você mais gostou. Assim dá para fazer um balanço final sobre os autores de sua preferência ou reler as crônicas que mais lhe chamou atenção.

Eu usei post it. Dê uma olhada no arco-íris! 🙂

cr

Bom, é isso, pessoal. Espero que tenham gostado das dicas. Quem tiver lido o livro e quiser contribuir com mais informação, por favor deixe nos comentários.

Beijos e até a próxima! 😉

Continuar lendo

Meu Rei, Meu Espelho

Nome original: Mon Roi

País: França

Ano: 2015

Atores principais: Vincent Cassel e Emmanuelle Bercot

O filme francês “Meu Rei” (Mon Roi) estrelado por Vincent Cassel e Emmanuelle Bercot (melhor atriz em Cannes) brinca com um dos clichês mais batidos de todos os tempos: o amor conturbado entre uma “mocinha” insegura e um “badboy” sedutor. Alguma semelhança com 50 Tons de Cinza? Felizmente, nem tanto.

A história pode ser lida em duas dimensões diferentes. No modo café-com- leite, onde Tony “cai nas garras” de Giorgio que a envolve em um jogo de submissão psicológica mesclada com bajulações. Uma interpretação perfeita para quem acredita que, dentro de um relacionamento, a mulher é uma donzela indefesa, portanto, isenta da responsabilidade pelos rumos que o envolvimento tomar.

Ou no modo “cheguei à vida adulta e tenho vergonha na cara” que funciona bem melhor para os mais realistas e inconformados com a banalidade que o termo “vítima” ganhou. Olhando desse ângulo, o filme ganha profundidade ao revelar os paradoxos das relações humanas, nas quais razão e emoção se contrapõem o tempo todo, nos arrastando para lados opostos e dificultando o discernimento sobre aquilo que queremos com mais firmeza. Viver intensamente uma atração fatal ou salvar minha sanidade? Esse é um dos dilemas de Tony, que está longe de ser uma pobre coitada e já explico o porquê.

Uma advogada bem-sucedida, amparada por familiares e amigos, é vítima ou coautora de um relacionamento abusivo? Eu aposto na segunda opção por dois motivos básicos: primeiro, ela detém recursos financeiros, intelectuais e de gênero (nascida e criada na França e não no Oriente Médio) suficientes para entender quando está sendo desrespeitada; segundo, ela tem liberdade para terminar tudo a hora que quiser sem que isso lhe custe mais do que uma bela fossa que arranha nossa dignidade por certo tempo, mas que não nos mata.

Por mais que o nosso dicionário seja muito inclusivo ao definir o significado de “vítima”, eu sou bem reducionista nesse sentido, preferindo considerar como tal apenas pessoas de fato privadas da liberdade de escolha ou sujeitas a opções que lhes custariam tão caro do ponto de vista social e/ou psicológico que fica difícil encará-las como um caminho viável, e obviamente, aquelas que são vulneráveis por definição (crianças, idosos, doentes, civis em zona de guerra, vítimas de estupro, de violência física, etc.).

Já uma “Tony” me parece mais vítima de si mesma e, portanto, precisa é de um espelho e não de um lenço. Isso porque ela tem claramente uma tendência a consentir os abusos de seus parceiros (o filme deixa claro que ela é a típica “dedo pobre”), provando que só lei não basta. Também é preciso consciência e colaboração por parte das mulheres para não facilitar a vida dos abusadores. A lei trata do leite derramado, a educação de homens e mulheres dispensa o seu uso.

Não se iluda. Em linhas gerais, toda vez que você se considera uma vítima do mundo, está dando um tiro no próprio pé, sabotando o seu poder de ação e perdendo uma grande oportunidade de refletir sobre si mesmo e tudo que lhe cerca.
Um dos grandes ritos de passagem da infância/puberdade para a vida adulta é justamente a consciência de que tudo é regido por uma lei de causa e efeito e que nós temos participação nisso. Ou seja, a sua vida é, em grande medida, aquilo que você fez dela e não um fenômeno sobrenatural orquestrado por extraterrestres. Dói né? Pois é… Isso explica porque tantas pessoas preferem o discurso de vítima.

Em muitos casos, ser vítima significa “estou livre da responsabilidade quando algo der errado”. O problema desse pensamento, além de criar uma cambada de mimados viciadinhos em chororô, é que ele gera humanos eternamente presos na adolescência, uma espécie de Caverna do Dragão onde voltar para casa equivale retomar o processo de maturação iniciado com o parto.

Voltando ao filme, o que distingue mulheres de meninas não é a vida em si, mas a postura tomada perante ela. Tony é quase tão desequilibrada, insegura e agressiva quanto Giorgio. A maior diferença entre eles é o temperamento, ela é mais reprimida e ele, mais expansivo.

Não se iluda parte II, nós só atraímos para as nossas vidas quem nos serve de espelho, os outros até se aproximam, mas não fazem morada porque não há correspondência para sustentar uma relação duradoura.

Sim, uma mulher madura e bem resolvida poderia se encantar por Georgio (Vincent Cassel não é lá um bonitão, mas tem seu charme), e num caso mais extremo de carência, até se apaixonar por ele, mas ela certamente racharia a conta do problema. E se a decisão fosse “sim, eu vou viver essa história custe o que custar”, ela diria algo do tipo:

– Gente, eu sei que ele não presta, mas eu também não sou lá flor que se cheire. Então, estamos quites.

Nos tempos de hoje, excluindo os países em que liberdade individual é mera utopia romântica, podemos dar o rumo que quisermos para as nossas vidas, e seja lá qual for o itinerário escolhido, que tenhamos sempre a decência de bancá-lo sem mimimi e encenações.

Música tema:

Continuar lendo

Prédios Flutuantes – Toda a Vastidão da Sexualidade Humana

Nome em inglês: Floating Skyscraper

País: Polônia

Ano: 2013

Atores principais: Mateusz Banasiuk, Marta Nieradkiewicz e Bartosz Gelner

A aflição do “desajuste social”, temperada por uma paixão faminta que busca no outro a sua própria identidade, compõe o cenário do filme polonês “Prédios Flutuantes”, dando rosto e voz aos dilemas da bissexualidade em escala individual (a autoaceitação) e coletiva (a intolerância dos outros), e humanizando uma questão que, de tão explorada nos espaços públicos atuais, já perdeu parte de seu caráter íntimo.

A narrativa feita em desdobramentos graduais e não como uma mera sucessão de fatos, é sutil, porém, escancarada. Por um lado, sobra zelo em retratar seres humanos e não caricaturas de um perfil sexual menos convencional. Por outro, falta pudor nas cenas de nudez e sexo, o que certamente ofenderá os sentidos dos mais recatados.

E além do crime de homofobia e suas consequências trágicas, há também a denúncia de uma violência bem menos explícita, disfarçada de apreço e encharcada de um egoísmo cego – a luta daqueles que amam para impedir que a natureza do ser amado lhes ataque a vaidade.

Quando fazemos do outro um meio de autovalidação, trocamos a convivência democrática pelo autoritarismo, nos esquecendo de que seres humanos são rios que fluem em direções inesperadas, naturalmente insubmissos à rigidez dos dogmas sociais.

É possível amar o outro e não simplesmente o nosso reflexo nele?

Há espaço para a liberdade quando se ama?

Dúvidas de quem percebe em si e nos demais um jeito torto de amar, capaz dos atos mais aviltantes na tentativa inútil de castrar a impermanência humana.

Continuar lendo